Consumíveis “paralelos” aumentam custo operacional, alerta a Hypertherm

Produtos também prejudicam a qualidade do corte

Publicado em 19/01/2015
Publicado por Hypertherm

Componentes dos sistemas de corte a plasma, as tochas e consumíveis são determinantes para a obtenção de um serviço de qualidade. Ocorre que, atraídas pelos preços iniciais menores, algumas empresas têm optado pelos produtos “paralelos”, no lugar dos originais desenvolvidos pela Hypertherm, referência global em equipamentos e tecnologias para corte industrial.

“Além de prejudicar a qualidade do corte e provocar, muitas vezes, o descarte da peça, o uso desses consumíveis aumenta o custo operacional, gerando retrabalho. Sua durabilidade, dependendo da aplicação, é até quatro vezes menor do que a garantida pelos originais Hypertherm. Sem contar que os consumíveis ‘paralelos’ podem comprometer a tocha e demais componentes do sistema. Ou seja, o barato sai realmente muito mais caro”, alerta o engenheiro André Marin, gerente de vendas de consumíveis na América do Sul.

Os produtos da Hypertherm, por sua vez, caracterizam-se pelo rigoroso controle de qualidade das matérias-primas e dos processos fabris. “Também contamos com um time de engenheiros e especialistas dedicados à criação de tecnologias inovadoras no que diz respeito às tochas e consumíveis, bem como uma equipe voltada à otimização do processo de corte”, ele observa.

Fundada em 1968, em Hanover (EUA), a Hypertherm está presente em 93 países. Na América do Sul, conta com uma base na cidade de Guarulhos e um Centro de Distribuição (CD) em Cajamar, ambas no estado de São Paulo.

Além de fabricar equipamentos para corte a plasma, laser e jato d´água, a Hypertherm fornece uma solução completa para o corte industrial, com produtos de automação (controladores de altura e CNC) e softwares de otimização de processo (CAD/CAM). Também é especialista no desenvolvimento e produção de tochas e consumíveis de alta performance.

Publicado em 19/01/2015
Publicado por Hypertherm